Notícias

Jipe robô detecta enorme pico de gás metano em Marte

O "Curiosity" obteve a maior medição do gás já realizada na superfície do planeta

Um autorretrato do robô Curiosity, da NASA, que atualmente explora a cratera de Gale em Marte. Créditos: NASA/JPL-Caltech/MSSS

O jipe robô Curiosity, da NASA, detectou o maior nível de gás metano atmosférico já registrado na superfície de Marte. O valor medido semana passada na Cratera Gale é de 21 partes por bilhão — três vezes maior do que o recorde anterior, detectado pelo Curiosity em 2013.

Cientistas planetários rastreiam avidamente o metano em Marte porque sua presença pode ser um sinal de vida no planeta vermelho. Na Terra, a maior parte do metano é produzida por seres vivos, embora o gás também possa derivar de fontes geológicas, como reações químicas envolvendo rochas. Várias espaçonaves e telescópios detectaram metano em Marte nos últimos 16 anos, mas o gás não aparece segundo qualquer padrão previsível, o que aprogunda ainda mais o mistério de sua origem.

O Curiosity mediu o metano diversas vezes desde que aterrissou na Cratera de Gale, em 2012. O nível normalmente é baixo, geralmente na faixa de partes por trilhão, e parece aumentar ou diminuir na medida que as estações marcianas mudam.

A última medição é “empolgantemente enorme”, diz Oleg Korablev, físico do Instituto de Pesquisas Espaciais em Moscou. Ele dirige um dos instrumentos de inalação de metano do Rastreador Europeu de Gás (European Trace Gas Orbiter ou TGO). A espaçonave foi lançada em 2016 para resolver o mistério do metano em Marte, mas até agora não detectou nada do misterioso gás.

Uma possível explicação para isso pode ser que o metano se dilua ou se destrua à medida que sobe na atmosfera, comenta Michael Mumma, cientista planetário do Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland. Espaçonaves em órbita, como a TGO, são as mais adequadas para medir o metano a muitos quilômetros acima da superfície.

A TGO está agora procurando por metano na atmosfera acima da Cratera de Gale, juntamente com a nave Mars Express, da Agência Espacial Européia, a outra estrutura em órbita de Marte que mede metano. 

A NASA está estendendo o período que o Curiosity deve passar na sua localização atual dentro da cratera — uma região chamada Teal Ridge. Os cientistas da agência realizaram um experimento subsequente de medição para tentar confirmar os níveis altos de metano, mas ainda não liberaram seus resultados.

 

Alexandra Witze — Nature

Utilizamos cookies essenciais para proporcionar uma melhor experiência. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de privacidade.

Política de privacidade