Notícias

Pesquisa brasileira propõe nova explicação para surgimento de grupo de dinossauros

Animais hoje classificados como parentes próximos teriam na verdade dado origem ao grupo dos dinos que inclui espécies como o Triceratops.

Ilustração feita pelos pesquisadores mostra como é a hipótese tradicional e como seria a arvore genealógica de sua nova hipótese

 

Uma nova pesquisa feita por paleontólogos brasileiros quer ajudar a solucionar um dos enigmas ligados à evolução dos  dinossauros. O estudo, publicado na revista Biology Letters, propõe  um redesenho da árvore evolutiva  de forma a explicar como teria ocorrido o surgimento de um dos principais grupos desses animais.

Evolutivamente, os dinossauros dividem-se  entre dois grupos principais: os Saurischia e os Ornithischia. Ambos se originaram no período Triássico, entre 252 e 201 milhões de anos atrás.  origem  dos saurísqueos já foi bastante explorada, pois já se conhecem muitos fósseis dos animais mais antigos pertencentes a este grupo. Já o surgimento dos ornitísquios — que inclui os dinossauros dotados de  chifres e armaduras, como o Triceratops — desafia os estudiosos, devido à ausência de fósseis desse grupo que remontem ao período triássico. Na falta de fósseis para analisar, os estudiosos não sabem qual era a aparência dos primeiros animais integrantes deste grupo, nem como eles se originaram.    

O trabalho dos pesquisadores da  Universidade Federal de Santa Maria procura solucionar este enigma   ao sugerir que os ornitísquios se originaram de um grupo de animais que hoje é classificado como uma espécie de parente próximo dos dinossauros.

++ LEIA MAIS 

Grandes dinossauros predadores também tinham comportamento canibal

Supostas descobertas de DNA de dinossauro dividem especialistas

Estes animais hoje são chamados de silessaurídeos. “Nossa hipótese ajuda a entender a razão pela qual não tínhamos dinossauros ornitísquios no Triássico. Na verdade eles estavam ali, porém ficavam de fora da árvore evolutiva dos dinossauros. Eram tratados como parentes próximos, mas não como  dinossauros verdadeiros”, diz Rodrigo Temp Müller, paleontólogo da UFSM e um dos autores do estudo. 

Uma hipótese alternativa, surgida nos últimos anos, sugeriu que os silessaurídeos pudessem ser aparentados dos  ornitísquios. Já a proposta dos brasileiros é que  os ornitísquios teriam evoluído a partir dos  silessaurídeos, acumulando  as características típicas do grupo ao longo de milhões de anos.

Para chegarem a esta hipótese, os pesquisadores usaram tanto dados obtidos por  análises em primeira mão de  fósseis quanto informações levantadas por  observações de fotografias e por estudos previamente publicados. No total, eles analisaram  277 características de fósseis de 62 espécies diferentes de animais. “Essa matriz de dados é o conjunto de muitos estudos que vêm sendo desenvolvidos ao longo dos últimos anos”. E, através de análises computacionais, foi possível chegar a essa hipótese alternativa, recuperando as árvores evolutivas mais prováveis”, diz Müller. 

A pesquisa propõe outra novidade:  o ancestral dos ornitísquios poderia ser um carnívoro. Apesar de todos os dinossauros desse grupo serem herbívoros, o ancestral do grupo parece ter sido um animal pequeno e com dentes adaptados a dieta carnívora. “Essa é uma constatação interessante porque já havíamos observado que os ancestrais dos outros grupos de dinossauro eram carnívoros. Agora temos essa nova evidência de que o ancestral dos ornitísquios também seria”, diz Müller. A dieta herbívora teria surgido em um segundo momento. 

A nova hipótese poderá ser colocada à prova a medida que nosso fósseis forem descobertos. “Há muitos grupos de pesquisa ao redor do mundo trabalhando para elucidar a origem dos dinossauros”, pondera o paleontólogo. 

 

Pedro Gabriel

Publicado em 31 de julho de 2020